Acuario Rosa

Todo lo que rodea a la acuariofilia

Entrevista a José Cruz Silva (Zeneo) (portugués)

Por todos os afeiçoados portugueses é conhecido José Cruz Silva… O que eu descubri estos días, mentres faziamos a entrevista, é que têm uma grande amabilidade e muita paciência… Por outro lado, o que faz gosta de o fazer bêm…

Nas charlas que tevemos tambêm averigüei que é um home entregado á familia.

Uma gran pessoa, en definitiva…

Acuario rosa:

Olá José (ou preferes que te chame Zé?), ante tudo, obrigado por aceitares o convite de Acuario rosa para fazer-te uma entrevista… é uma honra para mim

Zé:

Olá

Podes me tratar por Zé sim, todos os amigos me tratam assim.
Eu é que agradeço o convite, para mim é uma honra fazer parte do conjunto de entrevistados de Acuario Rosa.

Acuario rosa:

Bem, entao Zé, o primeiro que me gustaría preguntarte é quando e como começaste no hobby e quantos aquarios mantems hoje e a qué estao dedicados

Zé:

Quase que poderei dizer que comecei no hobby desde que nasci, pois em casa da minha avó havia um lago exterior com carpas que eu quando era criança ajudava a alimentar e a limpar. Com aquários de vidro iniciei-me há cerca de 13 anos, mas mais a sério desde 2005 com a descoberta dos fóruns, do Nature Aquarium e de toda a informação que a internet disponibilizou.

Acuario rosa:

Podes describir un pouco o conceito de “Nature Aquarium”? (Pregunta um bocado difícil nao é? hehe)

Zé:

Não acho assim tão difícil uma vez que é por ela que eu me tento guiar.🙂

Para mim Nature aquarium é uma filosofia da aquariofilia que tem como principal objectivo aproximar o Homem moderno do mundo natural. O que pretendo atingir com determinada montagem é essa mesma sensação de que o aquário é um pedaço de natureza do qual eu posso desfrutar e “viajar” para outros mundos.

Até aparecer este conceito, grande parte dos aquários eram tidos como meras caixas de vidros onde se albergavam espécies de peixes exóticas. Com os livros e exposições fotográficas lançados por Takashi Amano essa filosofia popularizou-se muito. Mas mesmo anteriormente, já alguns especialistas da aquariofilia procuravam essa ideia se bem que de forma um pouco diferente. Não davam tanta importância às plantas e ao hardscape mas tentavam dar um aspecto ao aquário o mais natural possível, recriando as tais paisagem submersas. Um dos livros que mais aprecio e que frequentemente leio é o The Complete Aquarium (1991) de Peter W.Scott que tem uma abordagem sobre o tema da aquariofilia centrada nos biótopos mas cujas montagens têm muitos dos conceitos depois mais explorados por T.Amano.

Hoje em dia acho que a ideia do Nature aquarium já perdeu um pouco do conceito original. Cada vez mais me parece que uma montagem e posterior manutenção de um aquário, é encarada mais como uma “ciência” do que uma filosofia, o que faz perder algum do seu sentido. Exemplo disso são as normas já quase institucionalizadas da utilização dos pontos focais, de determinado tipo de tronco ou pedra, a forma de fotografia, etc.

Acuario rosa:

Entao achas que estao aparecendo demasiadas “regras” e “normas” á hora de montar um aquario… Ese “Nature aquarium” começa a desaparecer para se calhar pasar á moda dos aquarios con proporçoes e regras fixas?

Zé:

Sim, acho.
Gostava muito mais que se continuasse a falar em Nature Aquarium do que o que se fala agora sobre o aquapaisagismo. Um aquariofilista ao montar o seu aquário deveria de olhar muito mais para a criação de um pedaço de natureza para seu proveito do que fazer um quadro para mostrar. No entanto, é claro que há sempre regras e normas a seguir, elas serão sempre o ponto de partida para atingir determinado objectivo. Mas nunca deveríamos esquecer que a natureza é única e sempre imprevisível.

Acuario rosa:

Nos teus aquarios procuras que as plantas, peixes, etc… sejan mais ou menos compativeis com o que existe na natureza (biotopo) ou nao reparas demasiado nisso…

Zé:

Na escolha dos peixes tenho alguma preocupação. Nas plantas e restantes materiais nem sempre. Mas a selecção desses materiais pode (e deve) ser condicionada pela escolha dos peixes uma vez que é sempre bom criar o melhor ambiente para a fauna. Por exemplo: num aquário de discos ou escalares acho que se deve procurar a utilização de plantas de folha larga ou troncos; num aquário de camarões usar os musgos; etc. Não gosto de aquários que apenas procuram realçar a estética e não têm em conta o bem-estar animal.

Acuario rosa:

Falemos de internet Zé…

Moderas o forum http://www.aquascapingforum.net … podes comentar un pouco como nasceu o forum?

Zé:

E modero também o fórum http://www.aquariofilia.net🙂

A ideia de formar o aquascapingforum surgiu do Filipe Oliveira em consenso com um largo conjunto dos amantes do aquapaisagismo de Portugal em que se pretendia ter um espaço mais especializado, onde pudesse haver troca de ideias entre aqueles que estão mais ligados ao aquapaisagismo, e com isso limitar um pouco o “ruído” gerado por um fórum de grandes dimensões como é o aquariofilia.net. No seguimento do que referi atrás sobre o Nature aquarium e o aquapaisagismo, por mim, os temas debatidos e discutidos poderiam ser mais alargados que a mera mostra de aquários. Ainda somos novos e penso que temos ainda um largo caminho a percorrer, assim haja vontade.

Acuario rosa:

Com respecto aos teus aquarios (de antes e agora)… qual é o teu preferido?

Zé:

Todos eles são bastante diferentes quer no tamanho, as espécies e a própria montagem. Por isso, a escolha é sempre um pouco difícil uma vez que cada um tem a sua particularidade de que gosto. Aprecio muito os pequenos pormenores.

A escolher, opto pelo Angels Creek na sua fase actual. Para além de gostar muito de observar o comportamento dos escalares, a sua manutenção é muito simples e fácil, o que ajuda bastante a apreciar o aquário, a própria montagem com a tentativa de recriar uma margem desabada…“me gusta mucho”.

Acuario rosa:

Um aquario precioso, sem dúbida alguma…

Qué outros aquarios tems actualmente e a qué estaon dedicados? (se pode ser com foto melhor ainda)

Zé:

Para além deste de escalares e tetras de 240 litros mantenho também:

Um plantado de 130 litros com ramirezis e neons e um de 25 litros com camarões red cherrys e guppies. Este último está “entregue” à responsabilidade do meu filho mais novo de 5 anos de maneira a que não mexa nos restantes quando eu não estou a ver.

Fotos fresquinhas tiradas agora:🙂

A precisar de atenção urgente…mas tem havido pouca vontade

É uma festa enorme sempre que nascem novos peixes ou aparecem os minúsculos camarões no “meu” aquário. Para mim é um problema porque tenho de controlar a população sem que o rapaz se aperceba disso, He! He!

Acuario rosa:

3 paisagistas portugueses favoritos e 3 nao portugueses?

conheçes algum paisagista espahol?

Zé:

Portugueses:

Rui Alves (Ramirezi) – Foi a minha primeira referencia nos aquários plantados, principalmente as suas montagens mais antigas têm um toque especial muito virado para o Nature que aprecio muito;

André Silvestre – Para além das suas excelentes montagens, foi um dos que me transmitiu muitos dos conhecimentos que tenho hoje;

Filipe Oliveira – É sem qualquer dúvida um aquascaper de top mundial, o aquascaping em Portugal não seria nada sem ele. O premiado no AGA The River foi de todos o que sempre me agradou mais.

Estrangeiros:

Takashi Amano – Pelo seu grande sentido estético e por tudo aquilo que impulsionou;

Norbert Sabat – Principalmente as suas primeiras montagens;

Masashi Ono – Um grande aquascaper, as suas montagens têm sempre um toque muito especial.

Espanhóis conheço poucos, mas posso destacar alguns. Parece-me sobretudo que o aquascaping em Espanha está neste momento em grande evolução: Pereiro, Reca e Pepe

Acuario rosa:

Podias explicar-me o que é un Wabi-kusa?

Zé:

Esta explicação retirada do site Xylema para mim é bem elucidativa:

Wabi-kusa – Do Japonês Wabi e Planta. Estilo japonês de micro paisagismo. Simplicidade, equilíbrio, minimalismo, frescor. Termo que deriva da estética wabi-sabi , versa pela simplicidade e observação dos detalhes da natureza a fim de compreender seus princípios e aplica-los não só em objectos naturais como os manufacturados, a beleza na imperfeição. Equivalente, porém distinto, ao ideal de beleza ocidental, herdado dos Gregos antigos.

Por cá, chamamos de …chinesices he! He!

Foi algo que gostei de experimentar, mas desisti rápido porque o pote rachou e perdia a água rapidamente o que fez com que as plantas secassem. Mas é uma ideia muito interessante, que não precisa de ser aplicada exclusivamente em aquários ou plantas aquáticas. Já lhe dei um toque ocidental e apliquei o conceito num vaso de cactos He! He!

O wabi-kusa de plantas aquáticas

O “wabi-kusa” de cactos, bem mais fácil de manter He! He! Ainda está numa fase inicial (tem um ano) só lá para o fim do verão se deverá ver algum crescimento e perceber melhor o arranjo.

Acuario rosa:

Pensas que a influéncia mais importante á hora de componher uma paisagem aquática é a oriental?

Póde-se considerar a ásia o berço do paisagismo aquático actual?

Zé:

Os orientais como é óbvio tiveram e ainda têm uma grande influência no aquapaisagismo actual, no entanto, como acontece em tudo um pouco actualmente e fruto da globalização isso tem alguma tendência a desaparecer. Mas sem a sua filosofia de vida, de que se deve ter sempre presente uma forte ligação com a natureza, julgo que teria sido muito difícil, se não impossível, atingir o patamar que a aquariofilia e o aquascaping têm no momento. Nos países orientais e em particular na cultura Japonesa a beleza natural é apreciada de uma forma completamente diferente das culturas ocidentais. O mundo que nos rodeia não é visto de uma forma particular mas sim como um todo e em que a ligação do Homem à natureza e o gosto pelo mundo natural é vista de uma forma quase religiosa. (Uns familiares meus estiveram no Japão há pouco tempo e uma coisa que acharam caricato é que por exemplo os taxistas no interior da viatura têm sempre um vaso com uma planta…por cá temos uma bandeira do clube de futebol.) Daí, tanta importância ser dada à conjugação dos vários elementos naturais: água; ar; terra; fauna; flora; etc. Ou se quisermos especificar, na aquariofilia um aquário bonito tem sempre de ter a conjugação perfeita entre os diversos intervenientes, fauna, flora; hardscape e até os restantes materiais. Esse arranjo tem como principal finalidade aproximarmo-nos da natureza e leva-nos a apreciar aspectos dela que até então nos pareciam insignificantes. Que beleza poderia ter um tronco caído no chão? Ou determinada pedra?

Acuario rosa:

Muito interesante…

Neste mesmo contexto, têm influência os jardims Zen japoneses no aquascaping actual?

Zé:

Muitos dos ensinamentos transmitidos por Takashi Amano sobre por exemplo a disposição das pedras num aquário são originais dos jardins de pedra Japoneses. Aquí as pedras tal como num aquário são a base de todo o layout. Para além dos jardins Japoneses, há outras artes orientais como a Ikebana que também tiveram grande peso na forma como evoluíram os aquários plantados.

Ikebana é uma arte que conjuga plantas, pedras e troncos de uma forma harmoniosa. Mas tal como no Nature Aquarium é tida como uma forma de aproximar o Homem da natureza e não apenas como um mero arranjo de flores.

Deixo um site para consulta bastante interessante sobre os jardins zen onde é possivel encontrar muitas semelhanças com os aquários plantados. Gostei muito do conceito da utilização das árvores que serão aplicados num aquário pelos troncos..uma árvore retorcida, inclinada e gasta pelos elementos representa metafóricamente um indivíduo envelhecido que passou os testes do tempo e do destino.

The Japanese Garden

Acuario rosa:

Gostas dos “landscapes”?

Zé:

Apesar de achar que há aquários lindíssimos sobre landscapes, não são os meus favoritos. Parece-me sempre que há algo de artificial neles.

Acuario rosa:

Falemos de técnicas Zé…

Que sustrato usas?

A utilização de substratos e fertilizantes varia bastante pelo tipo de aquário. Como os que tenho são bem distintos uns dos outros, os fertilizantes e substratos utilizados são bem diferentes também.

con que fertilizas os teus aquarios?

No aquário mais plantado de 130 litros que é mais high-tech uso substrato e fertilizantes da seachem. Nos restantes optei por soluções mais baratas e que ao mesmo tempo me dão também prazer de realizar. Sou um pouco auto-didacta e gosto de inventar sempre algumas soluções que por vezes resultam outras não.

Para o aquário mais pequeno optei por fazer eu o substrato a partir de rocha de lava que esmaguei. Resultou muito bem mas que deu algum trabalho a concretizar

No aquário grande ando em testes com um fertilizador gota-a-gota muito simples onde uso fertilizante de plantas domésticas

usas tests?

Testes não uso tanto quanto devia, é raro e por vezes isso trás alguns problemas que com uma utilização mais frequente destes se prevenia atempadamente.

Empleaste en alguma ocasiao agua oxigenada?

Uso água oxigenada para tratar alguns problemas de algas, principalmente para as ciano-bactérias, para as restantes uso excel.

Podes explicar brevemente como inicias os teus aquarios?

Os meus aquários geralmente são planeados primeiros mentalmente em função dos materiais que disponho ou de uma ideia que vou formando lentamente. Para a disposição do hardscape faço alguns testes fora do aquário.
Teste de disposição das pedras para o A New World:

Não sou impulsivo de maneira que desfaço um layout facilmente e componho de seguida outro. Gosto de ter as coisas a longo prazo e vou sempre modificando alguns pormenores com o passar do tempo.

Como realizas as TPAs?

As tpa’s tento fazer uma semanal de 10, 20 ou 50% consoante o tamanho do aquário. É a parte mais chata do processo de manutenção. Não tenho água perto da sala onde estão os aquários o que obriga a transportar a água de um lado para o outro o que causa alguns distúrbios domésticos, com água espalhada pelo chão da casa ou os depósitos largados aqui e ali🙂

Acuario rosa:

Obrigado pela documentaçao gráfica🙂

Zé, hai pouco entrevistamos a Diana Walstad… Qué opiniao tems do seu “método”?

Zé:

Li o seu livro há algum tempo atrás, tem alguns conceitos interessantes que aplico, mas acho que não se deve ser tão purista. Devemos retirar ensinamentos do seu método como também de todos os outros. É preciso é saber aplicá-los correctamente em função do que pretendemos.

Acuario rosa:

Digo umas palavras e comentas o primeiro que se passe pela cabeça:

ADA:

Elegancia

Pedras:

Estrutura

Fotografía:

Recordação

Árbore:

Vida

Crise económica:

Ciclica

Ricardo B. Rosa:

Bom

Espanha:

Férias

Camaroes cocidos:

Maionese

Oliver Knott:

Referencia

CAU:

Companheirismo

Xema:

Cryptocorynes

Acuario rosa:

Tems alguma outra afiçao Zé?

Zé:

A família🙂

Acuario rosa:

Boa afiçao sem dúbida🙂

Gostarias de comentar algo mais?

Zé:

Apenas agradecer teres proporcionado esta entrevista que adorei e desejar as maiores felicidades para tí e para o Acuario Rosa

Acuario rosa:

Agradecido fico eu eternamente… Foi un prazer absoluto fazer esta entrevista.. És un tipo estupendo

Zé:

Dispõe sempre …. Gracias😉

* Acuario rosa pede disculpas pelo pésimo português utilizado pelo entrevistador. Espero saiban comprender.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: